Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2010

Rendi-me, eu confesso!

Imagem
Após apregoar as primitividades do ser humano a propósito do FarmVille, rendi-me e criei uma quinta!
Não é nada que me faça supirar para ir a correr colher morangos, feijão verde ou beringelas, mas tem a sua piada...
Uma versão agrícola de algo parecido aos rudimentares Sims, é assim que eu o defino!

E puftt, fez-se o Chocapic! Deve ter sido mais ou menos assim...

Imagem
Quando dei por mim estava no meu local de trabalho mas no meio de um simulacro de incêndio, com bombeiros jeitosos e sirenes a apitar!

Vá meninos, confessem...

Imagem
Também queriam um destes, não queriam?

Ponto

"[...] Sabes porque leio e escrevo tanto?! Porque na ficção a minha realidade faz mais sentido, porque enquanto me dedico a isso não preciso de estar pendente de mim, do que preciso, do que me faz falta… [...]" In Lucie's corner on the moon

Mais de 1 mês!!!

Imagem
A hora só muda dia 28 de Março!
Estou em desespero agudo!!!

Frases Soltas #39

Imagem
A vidinha é uma convivência assassina.

Miguel Esteves Cardoso

Verdadeiro humor negro é...

Imagem
... Ultrapassar uma carrinha funenária na A1 e fazer piadas sobre o morto!
Eu sou uma pecadora!!!

P'ra ontem!

Imagem
Ideias giras para presentes para uma recém-mamã, alguém tem?
Ajuda precisa-se!!!

Se eu fosse...

Imagem
Em Dezembro de 2007, a organização francesa AIDES lançou em França, uma campanha de luta contra a discriminação aos seropositivos pelo VIH/SIDA.
Esta campanha, intitulada “Se eu fosse seropositivo…», expandiu-se, com grande sucesso, a outros países. E foi, precisamente, a participação de figuras públicas, nomeadamente, do Presidente Sarkosy, que contribuiu para a popularidade e impacto desta campanha.
O grande desafio desta iniciativa é fazer com que o público em geral seja confrontado com a seguinte questão: "Como reagiria, se uma figura pública que reconhece e admira pelo seu trabalho, pelo seu talento ou pelo seu carisma, fosse seropositiva?"
Por isso, a SER+ e o GAT “desafiou" personalidades da vida pública portuguesa que, pela sua notoriedade, trabalho e carisma, podem contribuir para uma mudança de opinião nos outros, ajudando a romper com estigmas e preconceitos e, para o fortalecimento da mensagem de apoio e solidariedade às pessoas que vivem com esta infecção, r…

Pergunta dos 10.000 euros.

Imagem
Só 1% dos utilizadores do Gmail terão hoje acesso ao Google Buzz.
Eu abri o meu e-mail de manhã e já estava lá a coisinha activa.
Que terei eu feito para pertencer a esse 1%? Alguém me explica???

Dia dos Namorados...

Imagem
Se ele não lesse este blog eu até dizia as coisas giras que preparei e as ideias originais que tive.
Assim só na próxima semana.
Paciência...

Só para meter nojo!!!

Imagem
Para a semana vou trabalhar apenas quinta e sexta!
E não me vai ser descontado um único dia aos 25 dias de férias a que tenho direito!
Privilégios de funcionária pública!

As análises sociológicas fascinam-me! Que posso eu fazer?

Imagem
Hoje estou disposta a discorrer algumas linhas (não muitas que eu sou uma mulher que trabalha e paara quem o tempo é precisoso) sobre essa fantástica maravilha que é o Facebook e da qual eu decidi não fazer parte.
Coisa de espantar, dada a minha tendência inata para aderir a tudo o que é tecnologia e novidade simultaneamente. Mas sobre isso falaremos um dia, se lá chegarmos...
Ainda assim e não me alongando no tema periférico, o que que quero mesmo analisar é a primitividade do ser humano demonstrada nessa coisa fantástica que tem o nome de FarmVille.
O FarmVille está definido na Wikipedia como um simulador de agricultura em tempo real.
Basicamente, no jogo, encarna-se a personagem de um agricultor, que tem de criar terrenos, plantar legumes, criar animais, entre muitos outras opções. Todos estas acções dão dinheiro, sendo que a compra de animais, plantas e outros bónus, a expansão da quinta e a compra de itens custam dinheiro, que depois terá retorno e experiência.

Ora pois bem, se segun…

O meu nº de telemóvel é o mesmo e está ligado 24h por dia...

A.:

Ando à muito tempo para te escrever este e-mail.

Sonhei contigo há uns dias atrás, de forma tão intensa que te disse no sonho muitas coisas que tento agora transpor para a escrita, diria papel, mas dada a virtualidade do e-mail não sei bem como defini-lo.

Perdi a coragem de te dizer fosse o que fosse quando fui atingida por esse sentimento avassalador de perda. Não sei bem o que isso é, como tu. Não vou tentar dizer-te que entendo o que sentes, que sei aquilo porque estás a passar, que sou solidária com a tua dor. Podia dizer-te que ao perder a minha avó, senti algo parecido. Mas não é a mesma coisa. Nada se compara certamente, a perdermos alguém que era um pilar na nossa vida. E nós ainda somos tão novas para isto...

Assim, sem saber o que te dizer, refugiei-me no meu egoísmo. Pensei só nos meus problemas e fui-me desculpando constantemente por não ter dito nada.
Acabamos sempre por estar centrados em nós e esquecemos ou tentamos esquecer que sem os outros somos pouco. Deve ser exacta…

Eu gosto...

Graças à Luna, acabo de descobrir que há mais 105 leitores do que aqueles que aparecem nos meus Per-Seguidores!
Devo confessar que há um certo fascínio nos leitores anónimos.