Mi blog es mi casa...

Um blog é uma casa.

Já muitos o disseram e repetiram e é sempre um tema recorrente quando se sente a casa invadida, a privacidade devassada e a vida do blog exposta precisamente aqueles a quem não a queríamos mostrar.

O facto de um blog ser uma casa não é garatia de se entrar sempre que se quer, apenas porque esta casa está visível do lado de fora da rua. O facto de um blog ser acessível a qualquer um que viva num país em que a internet seja acessível e não controlada não dá o direito de se entrar por ali a dentro sem sequer se tocar à campainha, caramba!
Eu vivo num país onde todos podem ver a minha casa através da minha janela e onde a polícia, autoridade máxima de segurança, só pode lá entrar com a minha autorização ou um mandato de busca de um juíz se este considerar que há provas suficientes para isso.




Um blog é uma casa que tem uma grande janela para a vida que se desenrola lá dentro. É uma casa que acolhe "estranhos" algumas vezes, porque tem um sofá suficiente grande para acolher 2 ou 3 couchsurfers que por lá apareçam em alguns visitas. É uma casa que tem quartos que nunca mais acabam e um sotão do tamanho do Mundo, onde na maioria das vezes alojamos memórias que de tão grandes que são não cabem em mais sítio nenhum. Um sótão cheio de baús, gavetões fundos, pó acumulado ao longo do tempo, em que as camadas variam consoante o tempo em que já se escreve lá.

Um blog é uma casa que não nos foi deixada em herança por ninguém. Construi-se sozinha com o esforço do dia-a-dia e exactamente por isso é um sítio que sentimos como nosso e que não queremos ver ocupado por ninguém.

Pode ser uma casa feia, pirosa até, com materiais velhos, paredes já sem tinta ou um jardim que não convida ninguém a entrar mas não é por isso que deixa de ser nossa. Pode em algumas alturas da vida estar em pior estado mas isso não impede que pensemos em como gostávamos de a deixar de "herança" aqueles que nos precederão.

Um blog é uma casa que apareceu sozinha num lote novo de um novo bairro da cidade e que aos poucos viu outras casas aparecerem ali. Umas bonitas vivendas onde gostávamos de morar algumas vezes mais até do que na nossa própria casa, outras apartamentos enormes que parecem latas de sardinha copiados todos iguais e mobilidaos e decorados em série. Não é por isso que deixam de ser a casa de alguém. Alguém que pode igualmente ser feliz na sua casa mais até do que nós na nossa.

Um blog é uma casa fechada sem trancas nem fechadura. E não é isso que dá o direito de entrar quem quiser e destruir o que nos levou tanto tempo a construir, porque em última análise isso é invasão de propriedade. A ausência de cadeados ou chaves complicadas serve apenas para aprendermos a distinguir quem se assemelha a nós e não entra sem tocar à campainha e pedir licença primeiro e quem vive no extremo oposto e que pensa que o facto de poder espreitar pela janela lhe confere o direito de entrar lá para dentro e se sentar no nosso sofá como se fosse o seu.


Um blog é uma casa e é exactamente por isso que muitas vezes quando nos mudamos e gostamos da vizinhança avisamos qual o novo paradeiros e deixamos muitas vezes até a morada que se segue no caminho das nossas vidas. É uma casa que às vezes se tornou demasido pequena para o espaço que queremos ocupar ou demasido familiar para aqueles que não se deviam ter habituado a fazer visitas sem avisar. E a minha mãe sempre me ensinou que mais vale ser desejado do que aborrecido.

Um blog é uma casa que às vezes precisa de obras e uns canos novos no wc, um chão mais moderno na sala ou apenas um novo papel de parede. E por isso mudamos tenplates, acrescentamos tretas que só embelezam ou pomos apenas umas coisas que de tão complicadas que são nem nunca vamos sequer aprender a usar.

Um blog é uma casa que serve para relaxar ao final do dia e recapitular o que fizemos ou não fizemos e devíamos ter feito.

Um blog é uma casa onde gostamos de viver. Sozinhos ou acompanhado, seja qual for a forma que o escolhemos fazer é um canto nosso. Ponto. É uma casa maior do que a que podemos ter na maior parte das vezes. Por isso precisa de obras para comportar tanta gente e pequenas modificações que de tão grandes se tornam, no final nem reconhecemos bem a casa que tínhamos antes e que tentamos tornar tão nossa. Não é por isso que nos podem criticar.



Um blog é a casa onde escolhemos viver pelo tempo que nos apetecer.

Um blog é uma casa. E o bom filho à casa torna.


E nada sabe melhor do que ter sempre alguém à porta feliz por nos receber.

Comentários

Ana disse…
Assim sendo, welcome home!
Clara disse…
que descrição tão... não diria certa... diria... certeira! Um abraço
mɑʀi disse…
Gsoteei desse Posst, ein! *--*

1Beijo Flor...

Mensagens populares deste blogue

Tal como agora.