Onde estás esta semana, Ana?


#7 - Num difícil almoço de trabalho, Praia da Torre, Oeiras

Neste momento:

Estou a rever mentalmente quem posso convidar para fazer uma coisa totalmente inusitada!

E não me ocorre ninguém. Tenho de mudar de amigos.

A minha genética irrita-me.

Nada do que eu possa aqui escrever, descreveria o que senti quando pus por escrito aquilo que não me deixaste dizer-te em palavras.

No fundo, repeti um padrão que sempre quis abolir mas que a vida teima em me mostrar que se há coisas inscritas no meu código genético esta é uma delas.

Isto sim é material de qualidade!

Quando ela me diz:
"Conheço um homem que acho que poderia ser o ideal".

Como é que começando assim eu o posso rejeitar?

Viver no século XXI é:

Eu estar em Berlim.
Ela estar em São Petersburgo.
Combinarmos um encontro em Amesterdão.
Sermos as duas de Portugal.

Onde estás esta semana, Ana?




#6 - No melhor quarto de hotel dos últimos meses, Berlim, Alemanha.

Mas também acredito...

... Que enquanto não tivermos uma justiça digna desse nome, não iremos nunca passar da cepa torta.

Eu sei que sou só mais uma voz mas...

... Juro que não me conformo com a m*** que o Jardim fez na Madeira e ainda ter de ouvir as barbaridades que ele diz.
Cada vez mais tenho vergonha de ser Portuguesa, eu que proclamo alto e bom som que sim, sou portuguesa! Eu que cada vez que vou de viagem só me apetece ter uma bandeira pendurada na mala.
Não tarda e estou a emigrar para um país que não minta e não se vanglorie por isso.

Soa mais feminino*

Gostaria muito mais de calçar os chinelos do outro do que os sapatos.


*Mas não necessariamente a mais higiénico.

Acredito ou não?

Objectivo produtivo do dia:

Consegui baixar o número do Google Reader de 300 para 100. Tem sido um dia produtivo...

Não necessariamente para a entidade patronal.

Lição ouvida ao pé da máquina de café do trabalho:

Os empregos são como os carros.


Quando são novos tudo é um espectáculo, tudo funciona bem e tu tratas de tudo lindamente.


Ao fim de algum tempo já não te importas se tem um risco a mais ou a menos e eventualmente acabas por querer mudar.


Conclusão a meio de uma traffic jam!

A maior parte dos homens portugueses devem ter uma pila mesmo muito pequena. 

Só isso explica a enorme necessidade de se armarem ao pingarelho quando conduzem. 

É a tal lei da compensação!

Coisas Boas

Surpreendo-me sempre que o meu LinkedIn me sugere pessoas com as quais tive contactos profissionais apenas uma vez e já há mais de 10 anos.

Aprendizagens:

A distância permite-nos ganhar perspectiva.