A minha genética irrita-me.

Nada do que eu possa aqui escrever, descreveria o que senti quando pus por escrito aquilo que não me deixaste dizer-te em palavras.

No fundo, repeti um padrão que sempre quis abolir mas que a vida teima em me mostrar que se há coisas inscritas no meu código genético esta é uma delas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Eu:

Porto (de Abrigo)

Cabe-nos a nós fazer melhor!