Não sei se adianta ou não

Mas a verdade é que hoje me muni de toda a minha coragem e não só disse à minha chefe que estava totalmente desmotivada, como acrescentei que só não me despedia porque precisava do dinheiro para pagar as contas.

Aguardam-se desenvolvimentos.

Comentários

A Chata disse…
Corajosa.
Felizmente nunca estive nessa posição...
Marisa S. disse…
Falta de motivação? Dá Deus nozes a quem não tem dentes!
Pelo que tenho oportunidade de ver aqui, devias considerar-te uma previligiada!
Se com todas as condições que julgo teres não te sentes motivada, se fizesses tudo e mais alguma coisa, enfiada numa qualquer cave, em troca de míseros 480€, cortavas os pulsos.
Perdoa-me o desabafo, e apesar de gostar bastante deste teu espaço, custa-me ler coisas destas em pessoas que como tu, tudo têm.
Ana A. disse…
Minha querida Marisa,
Desabafo desde já perdoado.
Eu até compreendo o desabafo mas já agora, e porque ultimamente parece que tenho sido pródiga em responder bruta e honestamente a comentários, aqui fica a resposta.
Motivação, diriam os psicólogos, tem vários níveis. Começa efectivamente pelas necessidades básicas e vai aumentando até à auto-realização. Acredito pois que alguém que precisa de dinheiro para pagar contas e sobreviver não consiga chegar ao patamar seguinte que pode ser o social, a auto-estima ou em última análise, a auto-realização. É o ciclo normal. Mas uma vez satisfeitas estas queremos continuar a subir.
E embora eu neste momento, e visto de fora eu possa ser privilegiada, a verdade é que eu quero mais. Sempre quis.
Só para te contextualizar, eu comecei a trabalhar por 150€/mês, 6h por dia a fazer uma coisa que não gostava e a tirar o Mestrado ao mesmo tempo.
A isso seguiram-se 8 meses de call center a ganhar o ordenado mínimo. Mas nada disso nunca me chegou, quis sempre mais. E aos poucos fui lá chegando.
E agora está na hora de subir mais um patamar. Quero mais, quero um novo desafio profissional que me leve ao limite, que me faça querer trabalhar 24h seguidas, que me mostre como eu sou boa no que faço e quando me empenho, que me dê mais algum dinheiro de preferência mas não obrigatoriamente. No fundo, que me desafie que é precisamente aquilo que não sinto neste momento.
Poderia esplanar largamente o assunto. Podia dizer-te que quando aceitei o emprego que tenho hoje, vim a ganhar menos 200€ do que no anterior, que todos me disseram que não o devia fazer mas que ainda assim arrisquei e nunca me arrependi.
Podia também dizer-te que viajar é óptimo, mas que quando não consegues ter uma rotina a nenhum nível isso acaba por te dar cabo do sistema todo. Que quando perdes acontecimentos importantes das pessoas de quem gostas por causa disso, às vezes pensas no que andas a fazer da tua vida.
Podia dizer-te muita coisa, mas em última análise cada um de nós olha para o seu umbigo. É normal.
Quanto à situação que apresentas, não a discuto. Não conheço os detalhes e não farei comparações incomparáveis.
A única coisa que te posso dizer é que situações piores não podem ser a desculpa para nos acomodarmos a algo que já não gostamos. E eu não sou pessoa de deixar de querer mais por isso.
E por último eu não deixo nunca de acreditar que quando queremos e nos esforçarmos e se for a coisa certa acabará por acontecer. Eu da minha parte não deixei de acreditar nunca. Pode ser por isso que estou aqui, nesta vida maravilhosa, vista de fora.
Mas ainda assim acredito que valho mais e que tenho direito a reclamá-lo.
Se terei direito a recbê-lo só o tempo e a vida o dirão.
Marisa S. disse…
Ana,

Não quero transformar isto num bate boca, mas permite-me...
Percebo o que dizes e concordo plenamente com a parte do não nos devemos acomodar ao que temos e devemos desejar sempre mais.
A questão não é essa.
Ser trabalhador estudante ou ser empregado num call center não impressiona. Isso é o pão nosso de cada dia do nosso país. (Pareces uma pessoa atenta, de certeza que já reparaste nisso)
Parece-me sim insensato vir chorar as pedras da calçada quando, sem grande esforço porque basta olhar à tua volta, a maioria das pessoas embora aspire a muito, quase nada tem.
Espero que consigas melhoras no teu actual emprego ou até mesmo um novo emprego.
Votos sinceros de boa sorte!
Calíope disse…
Epá e logo hoje fui queixar-me do meu (ainda) emprego. De qualquer modo, acho que fazes bem, se achas que podes/consegues/mereces melhor, é arregaçar as mangas. Sim, realmente é terrível ter metade do país a ganhar um ordenado mínimo, mas se tomarmos isso como impedimento para pôr a nossa vida a andar... não vamos a lado nenhum. E até podes não ir, depois de tentar. Mas se fores, deixas o teu lugar privilegiado para outrem que ambiciona uma vida assim :)
Duckman disse…
Percebo perfeitamente o que a Marisa S. quer dizer e não deixa de ter alguma razão. No entanto, também concordo que pelo facto de a esmagadora maioria trabalhar horas a pontapés, receber mal e não ser valorizado nem ter garantia de nada profissionalmente, não deves deixar de ambicionar mais e melhor se for isso que te move. Apesar de parecer idílico e perfeito as viagens constantes -sem dúvida que tem o seu glamour concordarás-, concordo e partilho do que dizes sobre o que acarretam -para lá do lado positivo que tenham; sei-o pelo facto de ter sido professor contratado e andar sempre, todos os anos, por esse país fora-.
Para terminar, não sei exactamente o que fazes, quanto ganhas, que condições tens, em que ramo precisamente trabalhas -sim tenho noção que é no ramo educacional-, se é empresa nacional ou não, se grande ou não e se com "ramos" no estrangeiro", etc etc, contudo, parece-me um facto que, apesar de tudo, as coisas não estão boas nem para "brincadeiars", a prova é que dizes que não te despedes por precisares do dinheiro para despesas, ou seja, quer-me parecer que se fosse fácil arranjares emprego noutro sítio já o terias feito.(não é nenhum crítica, nenhum comentário pejorativo, nenhuma intenção de ser desagradável, diria que é uma constatação a partir do que li, correndo claro, o risco de estar enganado).
Felicidades com as tuas ambições:)
Ana A. disse…
Meu caro Duckman,
Concordo em absoluto com quase tudo o que dizes.
É verdade que as coisas não estão fáceis, mas acho que aqui a questão é sobretudo o querer melhor.
É precisamente aí que as oportunidades escasseiam.
De qualquer obrogada pela leitura e comentário tão acertado!

Mensagens populares deste blogue