Sabes que alguma coisa se passa quando:

Te perguntam quais os planos para o fim-de-semana e tu respondes: 

"Sair e conhecer o homem da minha vida!"

Comentários

Vicky disse…
ups ahaha ;)
A Chata disse…
Somos mesmo gémeas ;)
Ana A. disse…
Chata,
Nesse caso temos de sair juntas!
A Chata disse…
Já me vi mais longe de fazer isso. Estás em Lisboa no fim de semana?
Ana A. disse…
Estou sim senhora! E sem planos para Sábado.
Mustache disse…
Fosse assim tão fácil......
Ana A. disse…
Mustache e é!
Basta querer e reduzir os standards ao mínimo.
Mustache disse…
Então duvido que seja o homem da tua vida.. ;)
Ana A. disse…
Querido Mustache,
como em tudo na minha vida, será o homem da minah vida no tempo presente. Enquanto durar.
Não acredito no conceito de amor eterno e tenho dúvidas (como já escrevi) que o amor sejo o contrário de tudo na vida e a única coisa que nunca acaba.
Nesse só acredito no amor paternal e fraterno.
Já o amor sexual/conjugal terá um prazo de validade. Nóa até o podemos continuar a consumir quando este já está mais que fora do prazo e nos provoca azia constante e outros sintomas mais, mas a verdade é que acaba.
E eu não vejo nenhum mal nisso. Importa saber quando temos de deixar de caminhar com determinadas pessoas.
No fundo é como com os amigos. Nós vamos avançando e há algusn que ficam para trás e outros que se mantêm mas à distância. E novos que vão surgindo e às vezes até povoam a nossa vida de coisas melhores e mais interessantes.
As pessoas evoluem e os amores também. Para mais é simples como isso.
Mustache disse…
Estimada Ana,
Compreendo tudo o que dizes - e até concordo -, mas segue o meu raciocínio.
A partir do momento que reduzes os standards para o minimo, seja para um amor, para uma amizade, para um trabalho, para o que quer que seja, assim que o reduzes, nunca poderá ser algo que te preencha a 100%, algo de onde retires máximo usufruto, máximo prazer. Será sempre quase bom, quase estável, quase aceitável, quase prazeiroso.
Daquilo que por aqui vais escrevendo (e acredita que o leio), não és menina de te contentar com o "quase", com o mediano, quanto mais com o minimo.
Eu percebi o que quiseste dizer. Tal como tu, às vezes penso se não terei os meus standards muito alto, se só me imagino com alguém que dificilmente anda por aí, alguém que me vá preencher totalmente. Se calhar, se baixasse as minhas expectativas, seria mais fácil; se calhar, agora estaria com alguém, alguém que possivelmente não me faria totalmente feliz. Apesar disto, sei o que quero, e por muito tempo que demore, não vou baixar os meus standards a níveis onde só vou encontrar o medíocre.
Sei o que sou, sei o quanto valho, sei o que mereço, e é a pensar nisto que continuo a sair à procura de alguém que me consiga acompanhar. :)
Ana A. disse…
Meu querido Mustache,
Como facilmente perceberás eu consegui perceber o teu raciocínio à primeira. Mas não só gosto de me fingir de mrota às vezes como me é difícil (como boa mulher que sou) admitir que alguém possa ter razão além de mim.
Percebo perfeitamente o que dizes. Se não queres uma coisa a 100% o mais certo é que o prazer retirado seja seja proporcional à redução de standards que lhe permites.
Isso já me aconteceu, numa relação de 5 anos da qual saí não há muito tempo. Houve uma determinada altura em que deixou d eme satisfazer a 100% e eu percebi que preferia olhar para trás um dia e arrepender-me de não me tr contentado com os 80% ou 90% do que arrepender-me de não ter procurado alguém que fosse o 100%.
Mas também te digo uma coisa muito honesta, não sei se o 100% existe. Quero muito acreditar que sim, mas cada vez tenho mais dúvidas.
não raras vezes doi por mim a achar que são felizes aqueles que namoram com a mesma pessoa desde os 15, 16 anos e que não aspiram a mais. Que a segurança e o conhecer tão bem o outro é o que basta para serem felizes. Conhecem algusn casais assim e acerdito mesmo que sejma felizes. Será isso apenas um preenchimento a menos de 100%?
Também tenho alturas em que penso se não terei standards muito alto. Ou pior se não excluirei à partida determinadas pessoas do possível posto de "The One" apenas porque falham num ou noutro item do dito standard. Em relação a isso estou sempre disposta a auditar novamente o interessado no lugar e sugerir os pontos de melhoria à partida. Se a coisa não funcionar e não houver certificação, digo-te uma coisa, posos até achar que nunca vou encontrar ninguém que chegue lá, mas se é para isso prefiro ficar sozinha.
Eu basto-me a mim própria em tudo. Pago as minhas contas sozinha, tenho a minha casa, vivo sozinha, faço inúmeros planos na minha vida social e se ninguém pode faço-os comigo mesma apenas. Não preciso de dividir despesas, espaços ou de uma sombra para achar que sou mais eu. Eu chego-me em pleno.
Mas como tudo aqui também há um problema, às vezes prefiro-me a qualquer outra pessoa e à medida que o tempo passa, a capacidade de cedência diminiu. Faz parte. Acho que s eum dia a pessoa que chega aos 100% aparecer eu também terei a capacidade de chegar aos meus pontos de melhoria.
Por último, quanto ao sair à procura de alguém, nem sequer é bem o que faço. Neste momento sinto falta de pessoas interessantes na minha vida, novidades, o fascínio de conhecer outra pessoa e não saber o quee stá ali. Como abrir um presente, sabes?
Procurar, procuro apenas alguém que me lave as vistas. Para já, não quero mais do que isso.
Ainda não decorei a nova música na totalidade. Ainda estou a recuperar do meu último desgosto de amor.



Ana A. disse…
Café, gémea?

Mensagens populares deste blogue

Tal como agora.