Um poema por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Às vezes, pequenos grandes terremotos 
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.

Fora, não se dão conta os desatentos. 

Entre a aorta e a omoplata rolam 
alquebrados sentimentos. 
Entre as vértebras e as costelas 
há vários esmagamentos.

Os mais íntimos 
já me viram remexendo escombros. 
Em mim há algo imóvel e soterrado 
em permanente assombro. 


 Affonso Romano de Sant’Anna

Comentários

Catarina M. disse…
amei! como se diz no facebook, "vou roubar" =P
Ana A. disse…
Estás à vontadinha!

Mensagens populares deste blogue

Eu:

Porto (de Abrigo)