A (minha) água e os (meus) homens.

Sou pessoa de poucos medos e fobias. Há coisas que naturalmente não gosto ou aprecio mas poucas as que chegam à categoria de gerar receio.

Mas sempre tive uma estranha relação de amor-ódio com a água. Adoro água, adoro mexer em água, tomar banho de mar, ver fotos de ambientes aquáticos. Mas sempre detestei passar em pontes desde que me lembro e andar de barco é uma actividade que me tira o sono e desenquieta cada nervo do meu corpo.

Até ao dia em que pousei os pés em Istambul e a primeira coisa que me apeteceu fazer foi entrar num barco e desfrutar do Bósforo como se o meu lugar sempre tivesse sido ali. Como se um bocado da minha alma pertencesse aquela imensidão de água e um reencontro estivesse a ser vivido.

Não ouve medo, nem nervosismo e a hesitação de passar 2h num barco a subir e descer o rio não apareceu mesmo tendo sido convocada. Houve uma inexplicável sensação de pertença e reencontro que raras vezes se vive na vida mas cuja plenitude extrapola qualquer tentativa de descrição.

Fiquei com a certeza de que fui muito feliz em Istambul e que os nossos caminhos ainda se haverão de cruzar umas quantas vezes antes de nos despedimos ad eternum.

É mais ou menos o mesmo que sinto com os homens marcantes da minha vida.

Comentários

Anónimo disse…
Olá,

Ser como a água e o segredo de viver este e neste mundo...

My favorite chapter from Tao De Ching by Laozi:

water is like infinite, it gives itself to all things, without distinction or judgement, and settle into the lowest places without deliberation. In dwelling, live in harmony with the land. In meditation, remember your oneness with the infinite. In dealing with others, do not judge. In communicating, relate the truth. In governing, be fair. In daily life, be in harmony with all things, and at peace with all people. In action, be mindful that there is a time, and a season for all things. Avoid judging and it's legacy contention, and flow in the peace and harmony of the oneness of the humanity.

Continuas a escrever maravilhosamente...,

"...
Still you believe in magic?
Yes, I do
Of course I do"

Bj
W.
Ana A. disse…
Meu querido W.
Sabes que também tu és um desses.
E sabes onde continuo a morar. És e serás sempre muito bem-vindo em todos os teus regressos.

Beijo,
Ana

Mensagens populares deste blogue

Porto (de Abrigo)

Dear Past Me:

Cabe-nos a nós fazer melhor!